Minha lista de blogs

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

BOA NOITE - Por Castro Alves

Escultura de Romeo Zanchett 
.
BOA NOITE 
Boa -noite, Maria! Eu vou-me embora 
A lua nas janelas bate em cheio. 
Boa-noite, Maria! É tarde... é tarde...
Não me apertes assim conta seu seio. 
.
Boa-noite!... E tu dizes - Boa noite, 
Mas não digas assim entre beijos...
Mas não digas descobrindo o peito, 
- Mar de amor onde vagam meus desejos. 
.
Julieta do céu! Ouve... a calhandra? 
Já rumoreja o canto da matina. 
Tu dizes que eu menti?... pois foi mentira...
... Quem cantou foi teu hálito, divina! 
.
Se a estrela d'alva os derradeiros raios
Derrama Nos jardins do Capuleto,
Eu direi, me esquecendo d'alvorada: 
"É noite ainda no teu cabelo preto..."
.
É noite ainda! Brilha na cambraia
- Desmanchado o roupão, a espádua nua -
O globo do teu peito entre os arminhos
Como entre as névoas se balouça a lua...
.
É noite, pois! Durmamos, Julieta!
Recende a alcova ao trescalar das flores, 
Fechemos sobre nós estas cortinas...
- São as asas do arcanjo dos amores. 
.
A frouxa luz da alabastrina lâmpada 
Lambe voluptuosa os teus contorno...
Oh! Deixa-me aquecer teus pés divinos
Ao doudo afago de meus lábios mornos. 
.
Mulher do meu amor! Quando aos meus beijos
Treme tua alma, como a lira ao vento, 
Das teclas de teu seio que harmonias, 
Que escalas de suspiros, bebo atento! 
.
Ai! Canta a cavatina do delírio, 
Ri, suspira, anseia e chora...
Marion! Marion!... É noite ainda. 
Que importa os raios de uma nova aurora?!...
.
Como um negro e sombrio firmamento, 
Sobre mim desenrola teu cabelo...
E deixa-me dormir balbuciando: 
- Boa-noite! -, formosa Consuelo!...
.
NOTAS EXPLICATIVAS. 
 Esta obra prima de Castro Alves foi escrita em São Paulo no dia 27 de agosto de 1868. Inspirada na obra de Shakespeare - Romeo e Julieta - Demonstra perfeitamente a ideia do amor sensual do poeta.
"Veux-tu donc parti? Le jour est encore éloigné: 
C'était le rossignol et non pas l'alouette, 
Dont te chant a frappé ton oreille inquiète;
Il chante la nuit sur les branches de ce grenadier,
Crois-moi, cher ami, c'était le rousignol. > Shapespeare "
.
A palavra "calhandra" é o nome dado a uma espécie de cotovia, também chamada de sabiá-do-campo.
Capuleto é o cenário da peça teatral de Shakespeare: Romeo e Julieta. 
.
Nicéas Romeo Zanchett 





domingo, 7 de agosto de 2016

AS ANDORINHAS - Por Augusto Gil




Boca talhada em milagrosas linhas
A luz aumenta com seu falar.
.
Esta manhã um bando de andorinhas
Ia-se embora, atravessava o ar.
.
Chegou-lhes às alturas, pela aragem, 
Um adeus claro que ele lhes dissera,
.
- E suspenderam todas a viagem
Julgando que voltara a primavera. 
.


quarta-feira, 6 de julho de 2016

SONETOS DA AUSÊNCIA - Alfhonsus de Guimaraens Filho

.

Soneto - 1 
Não te desejo mais pela amargura
Nem pelas alegrias inconstantes:
Quero beijar nas tuas mãos distantes
O amor que me alivia e transfigura. 
.
Quero, sonhando a adolescência pura 
no teu corpo febril, das mãos amantes, 
colher nos ventos tudo quanto dantes
ambicionara em sedes de loucura. 
.
Quero o teu riso, o teu silêncio, a graça
do teu vestido ao vento, o andar sereno
de ave marinha pelas madrugadas. 
.
Quero colher em ti o que não passa 
e pulsa em mim como o teu leve aceno
na distância impossível das estradas. 
.
.
Soneto - 2 
O doce amor. As doces mãos da amada.
Seu corpo branco como a luz macia
e a matinal pureza. E a graça e a fria
carícia irmã da leve madrugada...
.
A rua humilde. A paz desta pousada.
A trepadeira, o alpendre... E, todo dia, 
os risos das crianças, a alegria
descendo, clara, sobre a minha estrada, 
.
Depois, a noite os sonhos dominando, 
vozes veladas... Confissões e medo...
Gestos de quem parou na despedida
.
e há de ficar, por seu pesar, chorando, 
vivendo o adeus que é como o seu segredo, 
o adeus que encerra em si a própria vida. 
.
BREVE BIOGRAFIA
Alfhonsus de Guimaraens Filho, nasceu em Mariana, estado de Minas Gerais em 1918.
Nota: o sobrenome Guimaraens não está errado, é assim mesmo. 
Nicéas Romeo Zanchett 


terça-feira, 17 de novembro de 2015

DELÍRIO - Por Olavo Bilac.


DELÍRIO 
POESIA ERÓTICA DE OLAVO BILAC

Nua, mas para o amor não cabe o pejo
Na minha a sua boca eu comprimia.
E, em frêmitos carnais, ela dizia: 
Mais abaixo, meu bem, quero o seu beijo!
Na inconsciência bruta do meu desejo
Fremente, a minha boca obedecia, 
E os seus seios tão rígidos, mordia,
Fazendo-a arrepiar em doce arpejo.
.
Em suspiros de gozos infinitos
Disse-me ela, ainda quase em grito:
Mais abaixo, meu bem!? num frenesi. 
No seu ventre pousei a minha boca, 
Mais abaixo, meu bem!? disse ela, louca, 
Moralistas, perdoai! Obedeci...
.

Nicéas Romeo Zanchett 

LEIA TUDO SOBRE O AMOR EM > AMOR E SEXO SEM PRECONCEITOS



segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

CANÇÕES DE UM VIANDANTE - Por Uhland


O ADEUS
Adeus amor, adeus, querida! 
Hoje é força me ausentar, 
Dá-me um beijo, só um beijo!
Pra sempre te vou deixar!
.
Uma flor, uma florzinha
Vai colher-me em teu jardim!...
Pelo fruto, ai! não espero, 
Nunca há de ser para mim! 
.
EVITAR E SEPARAR
E devo então evitar-te, 
Delícias de minha vida!
Tu beijas-me assimagera
E eu abraço-te, ó querida. 
.
Evitar acaso é isto, 
Quando ardentes nos beijamos? 
Separar é isso acaso, 
Quando assim nos abraçamos? 
.
AO LONGE
Vou descansar à sombras destas árvores, 
Dos pássaros me apraz doce trinar...
Que comoção eu sinto ao vosso canto!
De nosso amor, ó pássaros, tão santo, 
Tão longe o que sabeis neste lugar? 
.
Vou descansar à margem deste arroio, 
Onde exalam as flores grato odor. 
Ó flores, quem vos trouxe ao descampado? 
Sois acaso um penhor idolatrado
Que venho achar aqui de meu amor? 
.
CANÇÃO MATINAL
Ainda a luz do sol se não presente, 
No escuro vale ainda alegremente
O sino matinal não se ouve ecoar. 
.
Na selva extensa nenhum sons vagueiam!
Só em sonhos os pássaros chilreiam,
Nenhum canto o silêncio vem quebrar. 
.
No entanto aqui, há muito, na campina
Já esta cançoneta matutina
Compus e modulei, soltei-a ao ar. 
.
A PARTIDA
Abandonei emfim essa cidade
Em que eu ha longo tempo residia, 
Veloz atravessei as ruas
E fi-lo sem parar, sem companhia
.
Ninguém me deu puxões pelo casaco, 
Com o que muito mal do meu vestido!
Tão pouco por extremos de saudade
Ninguém as minhas faces há mordido. 
.
A ninguém fez despertar do brando sono
O ter eu de partir de madrugada; 
Não quero mal por isso aos outros todos
Ela só me afligiu - a minha amada!
.
A POUSADA
Recolheu-me, não ha muito, 
Uma hospedeira excelente; 
A divisa - um pomo de ouro
De um alto ramo pendente. 
.
Era bela macieira
Quem me deu acolhimento, 
E no suco de seus frutos
Tive um ótimo alimento.
.
Leves hóspedes alados
À sua pousada chegaram,
E ali em pleno banquete
A exultar se regalaram. 
.
Achei cama primorosa
Na macia e verde alfombra,
Minha coberta - a hospedeira
Com a sua fresca sombra.
.
Pedi-lhe a conta... Ela a copa
Agitou com doce mimo. 
Bendita sejas pra sempre
Da raiz até ao cimo! 
.
O REGRESSO
Não te quebres, pinguelo...estremeces!
Não desabes, ó rocha, em pedaços! 
Terra e céu, não roleis ao abismo
Sem que eu chegue  a cingi-la em meus braços!
.

BREVE BIOGRAFIA 
            Luis Uhland foi um poeta lírico alemão; nasceu em Tubingen a 26 de Abril de 1787 e morreu na mesma cidade a 13 de Novembro de 1862. Tomou uma parte muito ativa na vida política da Suabia e no movimento nacional que agitou a Alemanha em 1848. Poeta seco, mas perfeito, as suas canções e baladas figuram entre as mais famosas da literatura alemã, tendo algumas das suas poesias líricas chegado a ser cansões populares do povo germânico e merecendo o nome que lhe deram de "clássico dos românticos". Publicou: Gedichte und Dramem (Poesias e Dramas), 1876; Schriftem zur Geschicht der Dichtung und Sage (Escritos sobre a história da poesia e da lenda), 1865 - 1873, etc. 
Nicéas Romeo Zanchett 

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

SONETOS - Por Moniz Barreto


SONETOS 
"Ver... e do que se vê logo abrasado
Sentir o coração de um fogo ardente, 
De prazer um suspiro de repente
Exalar, e apos ele um ai magoado.
.
Aqui que não foi ainda logrado,
Nem será talvez, lograr na mente; 
Do rosto a cor mudar continuamente, 
Ser feliz e ser logo desgraçado; 
.
Desejar tanto mais quão mais se prive
Calmar o ardor que pelas veias corre, 
Já querer, já buscar que ele se ative;
.
O que isto é, a todos nós ocorre: 
- Isto é amor, e deste amor se vive;
- Isto é amor, e deste amor se morre."
.
"Morre no prado a flor; a ave nos ares 
Ao tiro morre de arcabuz certeiro;
Morre o dia o esplêndido luzeiro; 
Morrem as vagar nos quietos mares;
.
Morrem os gosto; morrem os pesares; 
Morre oculto na terra o vil dinheiro; 
De encontro ao peito, que as apara inteiro, 
Morrem as setas dos cruéis azares; 
.
Morre a luz; morre o amor; morre a beldade; 
Na virgem morre a cândida inocência;
Morre a pompa, o poder; morre a amizade.
.
É de morte sinônimo a existência; 
No mundo é só perene a são verdade; 
"Só não morre a virtude, a inteligência."
.
É o seu rosto gentil, sua figura, 
Da criação archetipo mimoso;
Quanto vemos de belo e majestoso
Resume-se na sua formosura.
.
Estrela que em céu límpido fulgura, 
Rosa aberta em vergel delicioso, 
Não tem o encanto do seu talhe airoso, 
De seus olhos a luz serena e pura.
.
Nela, conta a artística afouteza,
Contra o pincel dos homens em sarcasmo
Quis ao mundo atirar a natureza.
.
E o mundo inteiro estremeceu de pasmo, 
Quando rara saiu sua beleza
Das mãos de Deus no ardor do entusiasmo.
.
Foi ela quem num cândido sorriso
A lira me afinou, que hoje é só pranto; 
Foi ela que dos olhos ao quebranto
Iluminou-me na alma um paraíso!
.
Foi ela que exaltou-me de improviso
De amor ao céu, nos voos do seu canto; 
Foi ela!... e agora à fímbria do alvo manto
Fugir não sei, sabendo que é preciso!
.
Foi ela!... zelo atroz cavou-me fundo
O peito, e já não vejo como alcance-a 
Para beijar-lhe o resplendor jocundo!
.
Foi ela... Deus, me tira desta ânsia!
Prende as asas da sílfide que ao mundo
Irmã da luz, baixou da eterna estância!
.
BREVE BIOGRAFIA
             Francisco Moniz Barreto foi um poeta brasileiro que nasceu na vila de Jaguaribe, Bahia, a 10 de Março de 1804 e faleceu a 2 de Junho d 1868. Considerado um poeta muito fecundo e repentista; foi cognominado de o Bocage brasileiro, escreveu inúmeras poesias, elegias, epístolas e sátiras. 
Nicéas Romeo Zanchett  
             


terça-feira, 30 de dezembro de 2014

ME, ME, ADSUM - Por Josefino Soulary - Poeta Francês

.
Ei-los perante o magistrado, 
Que lhes diz: "Casados estais
Em nome da Lei; quanto ao mais, 
Lá vos fica ao vosso cuidado."
.
Diz depois no templo sagrado
O padre: "Abençoados sejais
Em nome da Fé; ora entrais  
No grande mistério ignorado."
.
Mas eis que no limiar divino
Surge um formoso deus menino
E assim ao par exclama: "Eu sei,
.
Loucos, que não contais comigo!
Pois sou o Amor, e vos desligo, 
Eu não conheço a Fé, nem Lei."
.
BREVE BIOGRAFIA 
         José Maria Soulary, conhecido por Josefino Soulary, foi um poeta francês nascido em Lião a 23 de Fevereiro de 1815; morreu na mesma cidade em 28 de março de 1891. Tornou-se notável sobretudo pela beleza dos seus sonetos. A sua obra é grandiosa e está publicada em três volumes (1872 - 1883). 
Nicéas Romeo Zanchett