Minha lista de blogs

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

SONETOS - Por Moniz Barreto


SONETOS 
"Ver... e do que se vê logo abrasado
Sentir o coração de um fogo ardente, 
De prazer um suspiro de repente
Exalar, e apos ele um ai magoado.
.
Aqui que não foi ainda logrado,
Nem será talvez, lograr na mente; 
Do rosto a cor mudar continuamente, 
Ser feliz e ser logo desgraçado; 
.
Desejar tanto mais quão mais se prive
Calmar o ardor que pelas veias corre, 
Já querer, já buscar que ele se ative;
.
O que isto é, a todos nós ocorre: 
- Isto é amor, e deste amor se vive;
- Isto é amor, e deste amor se morre."
.
"Morre no prado a flor; a ave nos ares 
Ao tiro morre de arcabuz certeiro;
Morre o dia o esplêndido luzeiro; 
Morrem as vagar nos quietos mares;
.
Morrem os gosto; morrem os pesares; 
Morre oculto na terra o vil dinheiro; 
De encontro ao peito, que as apara inteiro, 
Morrem as setas dos cruéis azares; 
.
Morre a luz; morre o amor; morre a beldade; 
Na virgem morre a cândida inocência;
Morre a pompa, o poder; morre a amizade.
.
É de morte sinônimo a existência; 
No mundo é só perene a são verdade; 
"Só não morre a virtude, a inteligência."
.
É o seu rosto gentil, sua figura, 
Da criação archetipo mimoso;
Quanto vemos de belo e majestoso
Resume-se na sua formosura.
.
Estrela que em céu límpido fulgura, 
Rosa aberta em vergel delicioso, 
Não tem o encanto do seu talhe airoso, 
De seus olhos a luz serena e pura.
.
Nela, conta a artística afouteza,
Contra o pincel dos homens em sarcasmo
Quis ao mundo atirar a natureza.
.
E o mundo inteiro estremeceu de pasmo, 
Quando rara saiu sua beleza
Das mãos de Deus no ardor do entusiasmo.
.
Foi ela quem num cândido sorriso
A lira me afinou, que hoje é só pranto; 
Foi ela que dos olhos ao quebranto
Iluminou-me na alma um paraíso!
.
Foi ela que exaltou-me de improviso
De amor ao céu, nos voos do seu canto; 
Foi ela!... e agora à fímbria do alvo manto
Fugir não sei, sabendo que é preciso!
.
Foi ela!... zelo atroz cavou-me fundo
O peito, e já não vejo como alcance-a 
Para beijar-lhe o resplendor jocundo!
.
Foi ela... Deus, me tira desta ânsia!
Prende as asas da sílfide que ao mundo
Irmã da luz, baixou da eterna estância!
.
BREVE BIOGRAFIA
             Francisco Moniz Barreto foi um poeta brasileiro que nasceu na vila de Jaguaribe, Bahia, a 10 de Março de 1804 e faleceu a 2 de Junho d 1868. Considerado um poeta muito fecundo e repentista; foi cognominado de o Bocage brasileiro, escreveu inúmeras poesias, elegias, epístolas e sátiras. 
Nicéas Romeo Zanchett  
             


Nenhum comentário:

Postar um comentário